Qual é o teu SINTOMA?



Não permita que problemas diários o aborreçam. Pense que é apenas uma onda, que vai passar. Porque de fato é uma ilusão. Tudo é Maia (ilusão)! Segure no leme e conduza a sua vida. Ao invés de ficar se lamentando e somatizando doenças. Como dizia Renato Russo: “Tristeza não dá ipobe”, mas afastam as pessoas naturalmente, pois que o anjo da guarda delas não chegam perto de sua aura.






AVISO NA PORTA DE UM CONSULTÓRIO MÉDICO


A consulta é grátis e os remédios você tem em casa,
em você, na sua vida, em seu interior...



O resfriado ocorre quando o corpo não chora.
A garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as duvidas aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
O coração enfarta quando chega a ingratidão.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a "criança interna" tiraniza.




Normalmente, o(s) sintoma(s) ocorre(m) 3 dias após o "acontecido". Descubra o que te prejudicou e coloque para fora, em conversa com amigos ou com um profissional, que você se cura!!!





Sua saúde e sua vida dependem de suas escolhas!!!



Escolha ser Alegre!!!





"Faça o que for necessário para ser feliz.
Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples,
você pode encontrá-la e deixá-la ir embora
por não perceber sua simplicidade."
Mário Quintana


Acupuntura




Acupuntura Chinesa



A Acupuntura é uma parte importante do grande tesouro da Medicina Tradicional Chinesa. Tem uma história que remonta há mais de dois mil anos. Durante um tempo longo de prática, os médicos das diversas dinastias chinesas desenvolveram e aperfeiçoaram esta especialidade, que abrange várias teorias básicas, tais como o Yin e o Yang, os cinco Movimentos, os Zang-fu (órgãos e vísceras), Qi-Xue (energia e sangue) assim como vários métodos de manipulação de agulhas e experiências clínicas importantes do tratamento segundo os sintomas e sinais, fazendo com que a Acupuntura seja uma terapia muito eficaz na China.



Esta terapia apresenta bons resultados diante de muitas enfermidades e possui vantagens acentuadas sobre outras, os instrumentos utilizados são simples, económicos e de fácil domínio, seguros e sem efeitos colaterais.



É por essa razão que a Acupuntura tem um papel importante na área da saúde do Povo Chinês, assim como, tem obtido o respeito e confiança de outros países. Em Dezembro de 1979, a Organização Mundial de Saúde (OMS) da ONU tomou a decisão de indicar o tratamento com a acupuntura numa série de 43 doenças.




A palavra acupuntura deriva do latim (acus) agulha e punctura (punção). É um método terapêutico, que consiste na punção com pequenas e sólidas agulhas, em pontos específicos do corpo para melhorar a saúde, diminuir a dor ou modificar o estado geral do paciente.

No Ocidente a acupuntura já era conhecida pelos Portugueses por volta de 1650, no século XIX, cerca de 140 autores já haviam escrito sobre o assunto em livros franceses e alemães, mas só em 1930 começou em França a sua utilização concreta.

No período inicial do tratamento pela Acupuntura, os antepassados chineses curavam as enfermidades com agulhas de pedra denominadas Bian, Chan e Zhen.

Na época neolítica, além de agulhas de pedra artificialmente polidas, usavam-se também agulhas polidas de osso e de bambu como instrumentos para a acupuntura. Mais tarde com o desenvolvimento do cozimento de utensílios de barro, também foram utilizadas agulhas de barro, método utilizado em algumas regiões da China até á atualidade.

Com o advento da metalúrgica apareceram sucessivamente, agulhas de diferentes metais, por exemplo, as agulhas de ferro, prata e de ligas metálicas, hoje em dia as agulhas são se aço inoxidável muito finas e de fácil manejo. A metalúrgica não só proporcionou a base do material para a fabricação de agulhas metálicas, como proporcionou a possibilidade de fabricar instrumentos para a Acupuntura para diferentes usos. Á medida que foi aumentando e acumulando experiências no tratamento acupuntural, foram surgindo novas exigências no tocante ás formas de agulhas.


As “nove agulhas” da antiguidade eram fabricadas em nove formas distintas, segundo os diferentes usos, constituindo um símbolo do desenvolvimento das técnicas e teoria da Acupuntura. Em 1968, encontraram na tumba familiar de Liu Sheng e Jing de Zhongshan, da dinastia Han do Oeste (sec. II a.C), nove agulhas para Acupuntura, quatro em ouro e cinco em prata, foi a primeira vez que se descobriu agulhas de metal usadas nos tempos antigos.

As funções terapêuticas da Acupuntura resultam do estímulo de pontos especiais (pontos de acupuntura) e canais de energia, os pontos de acupuntura podem causar certas reações em outras regiões ou em algum órgão, de forma a obter resultados medicinais. Segundo a teoria da Medicina Tradicional Chinesa, os pontos podem transmitir a função e as mudanças dos órgãos do interior do corpo para a superfície e, ao mesmo tempo, comunicar os fatores exógenos da superfície até ao interior.


No princípio os pontos não possuíam locais determinados, nem nomes próprios, tão pouco eram os pontos atualmente conhecidos. A descoberta dos pontos tem muito a ver com o desenvolvimento do tratamento pela Acupuntura. Pouco a pouco, a localização e a função de cada ponto foram sendo definidas. Para facilitar a memorização das suas indicações, os pontos foram denominados segundo as características da região anatómica onde se encontra e a sua função em particular.


Por outro lado, através de constantes práticas clínicas, constatou-se que uma pessoa ao padecer de certa enfermidade, aparecem em determinadas áreas da pele ou em alguns pontos que se encontram em regiões diferentes, fenómenos anormais, tais como dor, distensão ou calor. Isto conduziu ao conhecimento do princípio da relação entre os pontos e as enfermidades e, por conseguinte, foi possível chegar ao diagnóstico por observação dos pontos de Acupuntura.




Na antiguidade, ao aplicarem o tratamento acupuntural, observou-se que sob determinado estimulo, as sensações de dor, intumescimento, distensão e peso no paciente estendia-se ao longo de uma determinada direção. Posteriormente notaram, que determinados pontos que se encontravam em diferentes áreas do corpo tinham as mesmas funções ou funções parecidas.


Sobre essa base de conhecimento, agruparam-se os pontos com funções similares ou relações intimas, chegando-se assim á “linha” e dela as concepções dos “canais e colaterais”. Com base na manipulação das agulhas mais de 20 tipos de combinações foram elaboradas e desenvolvidas e a ordenação de registos dos canais de Acupuntura e seus pontos assim como pontos extras foram documentados pelos médicos famosos dessas épocas.





Do estabelecimento da Dinastia Qing até á guerra do ópio (1644-1840) os doutores de medicina consideraram a medicina herbária como sendo superior á Acupuntura sendo esta durante muitas décadas negligenciada. No século XVIII, Wu Qian e os seus colaboradores por ordem imperial compilaram um livro exaustivo sobre Medicina Chinesa, contendo um capitulo de acupuntura com ilustrações, sendo imediatamente seguido de outro médico Li Xuechuán que enfatizava no seu livro a selecção de pontos de Acupuntura de acordo com a diferenciação de síndromes, sendo listados sistematicamente 361 pontos nos catorze canais de energia. Para além destes livros, havia muitas publicações, mas sem grande expressão.



Em 1822, as autoridades da Dinastia Qing declararam uma ordem para abolir permanentemente a Acupuntura do departamento da Faculdade de Medicina Imperial porque “A Acupunctura e a Moxibustão não são satisfatórias para serem aplicadas ao Imperador”.



Após a guerra do ópio em 1840, a China entrou em uma sociedade semifeudal e semicolonial. Com a revolução de 1911 e o fim da dinastia Qing o governo pró-ocidente instituído então, depreciou completamente a Medicina Tradicional Chinesa proibindo-a e tomando uma série de medidas para restringir o seu desenvolvimento incluindo a acupuntura.



Devido á grande necessidade de cuidados médicos do povo chinês, a acupuntura dessiminou-se entre as pessoas do povo. Muitos acupuntores fizeram esforços inflexíveis para proteger e desenvolver este grande legado médico, fundando associações de Acupuntura editando livros e promovendo cursos por correspondência para ensinar tal arte.




A Acupuntura ganhou nova vida assim como a Medicina Chinesa quando em Outubro de 1944 o presidente Mão fez um discurso apelando a reintegração da Medicina Tradicional Chinesa na área da saúde da nova China. Desde a fundação da Republica Popular da China, foi acelerada a propagação da Acupuntura e dos cuidados médicos tradicionais por todo país.



Nos anos 50 do século XX, a China ajudou a antiga União Soviética e outros países da Europa Oriental a formar acupuntores. Desde 1975 a pedido da Organização Mundial de Saúde, foram criados cursos de formação de Acupuntura Internacional em Beijing, Shangai e Nanjing para formar acupuntores de outros países. Mais de 120 países enviaram aí profissionais, para se especializarem. Atualmente o intercâmbio de organizações acadêmicas ocidentais com a associação médica chinesa é vasta e alargada a muitos países.

Marcadores:

Auriculopuntura (e/ou Auriculoterapia)





A Auriculopuntura ou Acupuntura auricular é uma especialidade da Acupuntura que tem como foco do tratamento no pavilhão auricular. Existem mais de 200 pontos de Acupuntura na orelha (depende dos mapas). Não confundir esta prática com a Auriculoterapia, técnica da Reflexoterapia desenvolvida por Paul Nogier no século XX.




No Brasil por exemplo, existem diversos terapeutas que empregam ambas as técnicas. Os princípios da Auriculopuntura são associados aos conhecimentos que fundamentam a prática da medicina tradicional chinesa: o estudo dos meridianos de energia; a teoria de Yin/Yang; a Teoria dos Cinco Elementos; e a Teoria dos Órgãos Zang/Fu.

O tratamento na Acupuntura foca na orelha as diversas regiões ou pontos que podem ser estimuladas de diversas maneiras, como através de agulhas colocadas por 20 a 30 minutos, ou pequenas agulhas semi-permanentes que podem permanecer por até 5 dias.

A auriculoterapia é um sistema independente da acupuntura e especialidade dentro da Medicina Chinesa. A aplicação atual da auriculoterapia não se restringe apenas ao tratamento das enfermidades através dos pontos auriculares, este sistema tem-se desenvolvido em relação ao diagnóstico em muitas patologias. Através da auriculoterapia podem ser tratadas cerca de 200 enfermidades, entre as quais estão: enfermidades de caráter funcional, enfermidades de caráter neurótico e psicótico.



É uma terapia complementar baseada nos princípios da Medicina Tradicional Chinesa, que procura harmonizar as funções dos orgãos por meio de estímulos de pontos distribuidos no pavilhão auricular.




Esta técnica é realizada através da manipulação da semente de mostarda, que estimula um ponto específico na orelha com o objetivo terapêutico. Existem cerca de 130 pontos no pavilhão auricular.

Algumas das patologias que podem ser tratadas com a Auriculoterapia são : dores na coluna, TPM, depressão, stress, gastrite, alterações digestivas e respiratórias, cefaleias, neurastenia, insônia, dor e etc. .

Quais são os limites da Auriculoterapia?

A auriculoterapia não é capaz de curar as doenças orgânicas, mas pode ser usada em caso de perturbações funcionais e de dores. É oportuno recordar que - como para outras medicinas naturais - muitos atribuem os seus efeitos a mecanismos de auto-sugestão e à indução do relaxamento.



Como se pratica a Auriculoterapia?

Só uma identificação preventiva da perturbação permite utilizar o mapa da orelha com uma cognição de causa.

O auriculoterapeuta pode descobrir as zonas dolorosas da orelha através de palpação ou servindo-se de um aparelho elétrico para procurar os pontos sensíveis, e deste exame, obtém indicações úteis para a localização de eventuais doenças e para formulação do diagnóstico.




Visto que a forma da orelha é semelhante à de um feto de cabeça para baixo, a determinação da correspondência entre os pontos auriculares e as partes do corpo é efectuada baseando-se nesta analogia: o lobo, por exemplo, representa a cabeça.


Terapia

Uma vez identificada a perturbação e os pontos auriculares correspondentes, o terapeuta executa uma desinfecção cuidadosa da orelha; em seguida, introduz uma agulha de ouro, de prata ou de um outro metal precioso até uma profundidade de cerca de 2mm no ponto pré-fixado, sobre o qual se pode intervir também mediante ímanes, correntes eléctricas e massagens auriculares.




Inicialmente, as agulhas devem permanecer enfiadas por cerca de 8 minutos, mas este tempo deve ser reduzido se o paciente se revela particularmente sensível.




Na maior parte dos casos, é necessário prever pelo menos cinco sessões, que devem ser realizadas a intervalos de poucos dias uma da outra e que prevêem a aplicação de três a seis agulhas.





A auriculoterapia é provavelmente um dos mais antigos métodos terapêuticos praticados na china. Este microsistema já era referido nos textos antigos como o Huang Ti Nei Jing, onde se relata a estreita relação do pavilhão auricular com o resto do corpo.


Em 1973, antropólogos chineses, encontraram nas escavações realizadas na província de Hu Nan, um livro antigo do período Han, escrito em duas partes intituladas “Os onze canais dos braços e das pernas na moxibustão e os onze canais Yin e Yang na moxibustão”. Segundo os especialistas esta obra deve ser a mais antiga sobre os canais no tratamento com moxibustão, na 2ª parte do livro menciona-se “Os membros, os olhos, a face e a garganta, todas reúnem-se, através de vasos e canais, na orelha”. Outros livros antigos da Dinastia Tang e Ming, também mencionam o uso de pontos na orelha para o tratamento de diversas enfermidades.


Mais recentemente em 1947, o Dr. P. Nogier (francês), publicou alguns trabalhos nos quais expõe a relação existente entre o pavilhão auricular e o resto do organismo, descrevendo inclusivamente, as experiências realizadas com clientes e os ótimos resultados obtidos. Ao que se sabe, ele partiu da observação dos povos do mediterrâneo, que tinham por hábito o uso de pequenas cauterizações na orelha para o tratamento de várias moléstias, conseguindo descobrir uma série de pontos curativos. Ao estudar esses pontos estabeleceu uma ligação entre a posição destes no pavilhão auricular e aquela ocupada pelo feto pouco antes do nascimento. Estes trabalhos do Dr. Nogier foram publicados em jornais de Xangai levando os chineses a acelerarem as investigações sobre esta área, criando vários centros de investigação por toda a China.




Desde a década de 80 do século XX até á atualidade foram feitos progressos enormes na auriculoterapia quando em 1982 foi fundado na China o Grupo Nacional de Trabalho em Auriculoterapia.

Em Outubro de 1989, celebrou-se em Pequim (Beijing) o primeiro congresso Internacional de Auriculoterapia, o qual marcou uma nova etapa no desenvolvimento tanto na China como no Mundo da Auriculoterapia.

Neste momento, a Auriculoterapia constitui uma especialidade Universitária, motivo de estudo tanto de médicos formados em Medicina Chinesa como Ocidental. Muitas têm sido as publicações que têm saído sobre a auriculoterapia aumentando cada vez mais o acumular de conhecimentos. O grupo de investigações sobre auriculoterapia da província de Yun Nan, editou um livro intitulado “Tratado de Auriculoterapia Chinesa”. Uma editora de Shangai publicou os livros “O tratamento com auriculoterapia” e “Seleção de auriculoterapia”. Na província da Nan Jing publicou-se o livro “Aplicação clínica da Auriculoterapia”. O hospital de Medicina Tradicional da província de Guang Zhou editou o livro “Experiência Clínica da Auriculoterapia”. Na província de Tian Jing também se publicou o livro com o título “Experiências sobre o uso e diagnostico dos pontos Auriculares”. Em Pequim (Beijing), editou-se o livro “Manual sobre Aplicação Diagnostica e Terapêutica dos Pontos Auriculares”. Na província de Au Hui, o livro “Tratado Aclaratório sobre Auriculo-puntura”. Em 1991 a professora Huang Li Chun editou em Beijing um dos tratados mais importantes de auriculoterapia publicados na China, com o título “Tratado sobre o Diagnóstico e Tratamento através dos Pontos Auriculares”. Estes títulos de livros são uma pálida amostra do vertiginoso desenvolvimento que tem alcançado a auriculoterapia nos últimos 30 anos dentro da China.




A auriculoterapia tem constituído a sua própria teoria, por ter na atualidade, métodos independentes para o diagnóstico e tratamento das enfermidades. Os pontos auriculares funcionam como uma memória do histórico patológico das pessoas, por isso o diagnóstico através destes, fornece-nos o desenvolvimento cronológico das enfermidades e a preparação para processos patológicos que ainda não se manifestaram clinicamente.



O diagnóstico da auriculoterapia tem valor hoje semiológico muito próximo do diagnóstico através do pulso e da observação da língua na MTC.



O pavilhão auricular é considerado uma parte muito importante do corpo humano, por constituir um microsistema, capaz de funcionar como um receptor de sinais de alta especificidade, podendo refletir todas as mudanças fisiológicas dos órgãos e vísceras, dos quatro membros, do tronco, dos tecidos, etc. Quando produz-se uma desarmonia em qualquer parte do corpo humano, este é refletido na orelha com reações de caráter e localidades diferentes, específicos a cada enfermidade em particular, e deixando relações muito estreitas entre os locais reativos e as partes do organismo implicadas na patologia. As reações podem ser de diferentes tipos, entre as mais comuns são: mudanças na resistência elétrica das zonas reativas específicas, mudanças de coloração, descamações, mudanças morfológicas nessas áreas, eczemas, etc. Todas estas reacções podem aparecer no pavilhão auricular, antes que a enfermidade se manifeste e também, desaparecer depois da cura da enfermidade.



O método de tratamento em auriculoterapia tem tido muito desenvolvimento durante estes últimos anos, desde as tradicionais agulhas de acupunctura de dimensões relativamente pequenas e muito finas, ás agulhas intra-dérmicas, á utilização do laser, passando pelas esferas magnéticas e moxabustão até á prática mais utilizada na China que é a colocação de pequenas sementes com adesivo demonstraram resultados excelentes, e são utilizados em conformidade com a necessidade do paciente, pois cada organismo reage de uma forma determinada ao estímulo, cada pessoa é um universo único, todo o tratamento pela auriculoterapia tem como objecto promover o equilíbrio do paciente e assim o seu bem-estar. A auriculoterapia é especialmente indicada quando se necessita que o paciente leve o tratamento para casa, podendo o paciente pressionar as esferas ou semente colocadas nos pontos auriculares, estimulando por pressão e efetivando continuamente o tratamento.


Marcadores:

Vamos lá pessoal

O AMOR CURA

Followers

Total de visualizações de página

Martha Cibelli. Tecnologia do Blogger.

Quem sou eu

Minha foto

Eterna aprendiz.
AMO Metafísica; livros; gatinhos; músicas e jardinagem. Gosto muito da natureza humana.